Pernambuco

Coluna

Voto impresso ameaça a democracia e levanta cortina de fumaça

Imagem de perfil do Colunistaesd
Parecer de Filipe Barros (PSL-SP), favorável ao voto impresso, seria derrubado após acordo de deputados da oposição - Marcelo Camargo/Agência Brasil
Não há comprovação de fraude eleitoral desde a chegada da urna eletrônica

A absurda defesa da tese do “voto impresso auditável” tem ecoado entre os poucos apoiadores do bolsonarismo, que volta e meia vão às ruas ostentando propostas inconstitucionais e antidemocráticas. Aos ouvidos dos cidadãos que defendem o Estado Democrático de Direito, como é o meu caso, esse grande disparate chega como um ruído incômodo, que precisa ser interrompido com urgência.

Não há comprovação de fraude eleitoral desde a chegada da urna eletrônica, em 1996, assim como não temos registro de denúncia de fraude, o que ocorreu pela última vez nas eleições de 1994. Não seria um retrocesso se deixássemos de usar as plataformas de mensagens instantâneas para enviar cartas por um pombo correio, internet discada no lugar da fibra óptica, ou trocar nossos smartphones pelo orelhão de ficha?

A volta do voto impresso em um País que avançou na segurança eleitoral, agilidade da apuração e divulgação e que, inclusive, possui um sistema eletrônico auditável, deveria causar a mesma repulsa. A nota coletiva assinada por todos os presidentes do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) desde 1988, é mais uma garantia de que não existe uma teoria da conspiração por trás das urnas em favor de uma determinada ideologia política.

Mas, enquanto nos desgastamos fazendo o necessário papel de desmentir as fake news propagadas pelo presidente Bolsonaro, seja sobre o processo eleitoral, o tratamento precoce ou a terra redonda, devemos seguir atentos e fortes. Porque atrás das cortinas de fumaça lançadas por Bolsonaro e seu governo militarizado, para chamar atenção da população, escondem o avanço da agenda de privatizações, o aumento do combustível e dos alimentos, o aumento da fome e do desemprego, o PL da Grilagem, as denúncias de corrupção na pandemia, uma reforma administrativa que acaba com os serviços públicos, o esvaziamento dos fundos constitucionais e enfraquecimento dos bancos públicos.

Olhos abertos! Somos a maioria, somos a força produtiva deste País e com unidade resistiremos.

 

As opiniões contidas nesta coluna não refletem necessariamente a opinião do jornal

Edição: Vanessa Gonzaga